O túnel do carpo é um túnel osteofibroso inelástico formado pelos ossos do carpo e pelo retináculo dos flexores que serve de conduto para o nervo mediano e para nove tendões dos flexores. Com uma prevalência estimada de 4 a 5% da população, predominante em mulheres e mais comum entre a 4ª e 6ª década de vida, a síndrome do túnel do carpo é uma neuropatia de compressão do nervo mediano na sua passagem pelo túnel do carpo, decorrente do estreitamento desse compartimento.

Sintomas como dor intermitente e parestesias na face palmar dos três primeiros dedos da mão e região tênar são típicos, podendo estar acompanhados de perda de força muscular e sensibilidade diminuída. A STC é comum em indivíduos que exercem movimentos repetitivos ou posturas extremas mantidas de punho.

A fisioterapia faz parte do tratamento conservador dessa afecção, primordialmente escolhida para o tratamento da STC. Tem como objetivos o controle do processo inflamatório, diminuição da dor e edema e aumento da capacidade funcional e da força muscular, e faz uso de recursos físicos, manuais e cinesioterápicos.