A fisioterapia com foco no paciente critico iniciou-se na década de 50 com a crise de poliomielite. Atualmente a mesma tem importante papel na UTI, pois tem uma visão geral do paciente. Atua como medida preventiva auxiliando na manutenção das funções vitais dos sistemas corporais de seus pacientes, reduzindo o risco de complicações clínicas.

Tem importante função sobre o sistema respiratório, otimizando a função ventilatória e prevenindo e/ou tratando as disfunções decorrentes das doenças cardiopulmonares, circulatórias e neuromusculoesqueléticas. Utiliza-se de técnicas, recursos e exercícios terapêuticos para atingir os objetivos de acordo com a necessidade individual de cada paciente.

A mobilização precoce na UTI visa manter ou aumentar a força muscular e a função física do paciente, no qual o fisioterapeuta é de suma importância, assim prevenindo os efeitos deletérios da imobilização prolongada.